segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Mais um gorro a sair!


   A produção de gorros continua! este foi mais um feito de acordo com os desejos "do freguês". Tinha obrigatoriamente de ser preto e encarnado, meio "desleixado", em crochet e com um ponto bonito! No final, ficou muito satisfeito! e eu também! :-) 





- 3.5 mm hook
- 4.0 mm hook
- 1 skein of red. I used Schachenmayr Bravo
- 1 skein of black. I used Schachenmayr Bravo
- 1 yarn needle


Ribbing:
With 3.5 mm hook

Row 1: With black, Ch 10, sc in 2nd ch from hook and in next 8 chs. Turn. (9 sc)

Rows 2-88: Ch 1, blsc in each sc across. Turn. (9 sts) (**)
Ch 1 and join the ribbing rows by slip stitching the last row to the free loops of starting chs.


Body of Hat (working in the Round):
With 4.0 mm hook

Rnd 1: With black, sc into the row ends, working 1 sc into each end; Join red with sl st in first sc. (88 sts)

Rnd 2: Ch 1, (sc2tog, ch 1) around working each sc2tog over 2 sts. Join black with sl st in first sc2tog.

Rnd 3: Ch 1, sc in same st as join and into each st and ch-1 around. Join red with 1 sl st in first sc2tog. (88 sc)

Rnds 4-32: Repite rounds 2 and 3.

Rnd 33: Ch 1, sc2tog around; With red, join with sl st in first st. Fasten Off black. (44 sts)

Rnd 34: Repite round 33. (22 sts)

Rnd 35: R
epite round 33. (11 sts)

Rnd 36: 
Repite round 33. (11 sts)

Fasten Off , leaving a long tail. Weave tail end in through last round and pull tight to close the hole.


(**) Continue with this row until you have reached a desired circumference, making sure to end in an even number of rows.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Pinheiro iluminado




"(...) De facto, seguindo esses rastos, depressa chegou à pequena aldeia dos lenhadores. Todas as portas se abriram, e os homens da floresta reconheceram o Cavaleiro que rodearam com grandes saudações.
Este penetrou na cabana maior e sentou-se ao pé do lume enquanto os moradores lhe serviram pão com mel e leite quente.
— Já pensávamos que não voltasses mais — disse um velho de grandes barbas —.
— Demorei mais do que queria — respondeu o peregrino
— Mas graças a Deus cheguei a tempo. Hoje antes da meia-noite estarei em minha casa.
— É tarde — disse o velho — o dia já escureceu, vai nevar e de noite não poderás caminhar.
— Nasci na floresta — respondeu o peregrino — conheço bem todos os seus atalhos. Seguindo ao longo do rio não me posso perder.
— A floresta é grande e na escuridão ninguém a conhece. Fica connosco e dorme esta noite na minha cabana. Amanhã, ao romper do dia, seguirás o teu caminho.
— Não posso — tornou o Cavaleiro —, prometi que estaria hoje em minha casa.
— A floresta está cheia de lobos esfomeados. Que farás tu se uma matilha te assaltar?
Mas o Cavaleiro sorriu e respondeu:
— Não sabes que na noite de Natal as feras não atacam o homem?
E tendo dito isto levantou-se, despediu-se dos lenhadores, montou a cavalo e seguiu o seu caminho.
Dirigiu-se para a esquerda procurando o curso gelado do rio. Mas mal se afastou um pouco da aldeia a neve começou a cair tão espessa e cerrada que o Cavaleiro mal via.
— Depressa — pensava ele —, tenho de chegar depressa ao pé do rio. E puxando mais o capuz para a testa continuou a avançar.
Mas o rio não aparecia, e a noite começou a avançar.
O homem parou e escutou.
— Era mais prudente voltar para trás — pensou ele —.Mas se eu não chegar hoje, a minha mulher, os meus filhos e os meus criados pensarão que morri ou me perdi nas terras estrangeiras. Passarão um Natal de tristeza e aflição. E preciso que eu chegue hoje.
E continuou para a frente.
Agora nenhum ramo estalava e não se ouvia o menor rumor. Os esquilos, as raposas e os veados já estavam recolhidos nas suas tocas. O cair da neve parecia multiplicar o silêncio.
E o rio parecia ter-se sumido.
— Talvez me tenha enganado no caminho — pensou o Cavaleiro —, vou mudar de direcção.
E virou um pouco mais para a esquerda. Mas continuou a escurecer, a neve continuou a cair, o silêncio continuou a crescer e o homem e o rio não se encontravam.
E devagar anoiteceu mais.
As horas uma por uma foram passando e longamente o Cavaleiro avançou perdido na escuridão.
Por mais que se enrolasse no seu capote, o ar arrefecia-o até aos ossos e as suas mãos começavam a gelar. Já não sabia há quanto tempo caminhava, e a floresta era como um labirinto sem fim onde os caminhos andavam à roda e se cruzavam e desapareciam.
— Estou perdido — murmurou ele baixinho —. Então a treva encheu-se de pequenos pontos brilhantes, avermelhados e vivos.
Eram os olhos dos lobos.
O Cavaleiro ouvia-os moverem-se em leves passos sobre a neve, sentia a sua respiração ardente e ansiosa, adivinhava o branco cruel dos seus dentes agudos.
Em voz alta disse:
— Hoje é noite de trégua, noite de Natal.
E ao som destas palavras os olhos recuaram e desapareceram.
Mais adiante ouviu-se o ronco dum urso. O Cavaleiro estacou a sua montada e a fera aproximou-se. Vinha de pé e pousou as patas da frente no pescoço do cavalo.
O homem ouviu-o respirar, sentiu o seu pêlo tocar-lhe a mão e viu a um palmo de si o brilho dos pequenos olhos ferozes.
E em voz alta disse:
— Hoje é noite de trégua, noite de Natal.
Então o bicho recuou pesadamente e grunhindo desapareceu.
E o Cavaleiro entre silêncio e treva continuou a  caminhar para a frente.
Caminhava ao acaso, levado por pura esperança, pois nada via e nada ouvia. As ramagens roçavam-lhe a cara e caminhava sem norte e sem oriente. O cavalo enterrava-se na neve e avançava muito devagar. Até que de repente parou. O homem tocou-o com as esporas mas ele continuou imóvel e hirto.
— Vou morrer esta noite — pensou o Cavaleiro —.Então lembrou-se da grande noite azul de Jerusalém toda bordada de constelações. E lembrou-se de Baltasar, Gaspar e Melchior, que tinham lido no céu o seu caminho. O céu aqui era escuro, velado, pesado de silêncio. Nele não se ouvia nenhuma voz nem se via nenhum sinal. Mas foi em frente desse céu fechado e mudo que o Cavaleiro rezou.
Rezou a oração dos Anjos, o grande grito de alegria, de confiança e de aliança que numa noite antiquíssima tinha atravessado o céu transparente da Judeia. As palavras ergueram-se uma por uma no puro silêncio da neve:
— Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade.
Então na massa escura dos arvoredos começou ao longe a crescer uma pequena claridade.
— Deus seja bendito — murmurou o Cavaleiro —. Deve ser uma fogueira. Deve ser algum lenhador perdido como eu que acendeu uma fogueira. A minha reza foi ouvida. Junto dum lume e ao lado de outro homem poderei esperar pelo nascer do dia.
O cavalo relinchou. Também ele tinha visto a luz. E reunindo as suas forças, o homem e o animal recomeçaram a avançar.
A luz continuava a crescer e à medida que crescia, subindo do chão para o céu, ia tomando a forma dum cone.
Era um grande triângulo radioso cujo cimo subia mais alto do que todas as árvores.
Agora toda a floresta se iluminava. Os gelos brilhavam, a neve mostrava a sua brancura, o ar estava cheio de reflexos multicolores, grandes raios de luz passavam entre os troncos e as ramagens.
— Que maravilhosa fogueira — pensou o Cavaleiro —. Nunca vi fogueira tão bela.
Mas quando chegou em frente da claridade viu que não era uma fogueira. Pois era ali a clareira de bétulas onde ficava a sua casa. E ao lado da casa, o grande abeto escuro, a maior árvore da floresta, estava coberta de luzes.
Porque os anjos do Natal a tinham enfeitado com dezenas de pequeninas estrelas para guiar o Cavaleiro.

Esta história, levada de boca em boca, correu os países do Norte. E é por isso que na noite de Natal se iluminam os pinheiros. (...)"

(O Cavaleiro da DinamarcaSophia de Mello Breyner)




quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Um gnomo!


   Tenho tido muito pouco tempo para as minhas agulhas, com muita pena minha! Mesmo assim, e  como gosto de cumprir a tradição, consegui fazer um novo ornamento para a Árvore de Natal. Um gnomo narigudo! 






quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Bolo de banana caramelizada - receita Bimby

   Cás está mais uma receita subordinada ao tema "o que fazer com bananas muito maduras". Aqui em casa nunca as desperdiçamos: seja em bolospão, muffinspanquecas ou boiões de fruta, o desperdício é zero!




200 g de açúcar
200 g de margarina 
200 g de farinha para bolos
4 ovos
1 saqueta de açúcar baunilhado (8g)
1 colher (chá) de fermento para bolos
4 bananas maduras
Caramelo líquido q.b.

   Ligue o forno a 180ºC.
   Corte as bananas em rodelas.
   Caramelize generosamente uma forma redonda e disponha as rodelas de banana no fundo.
   Coloque a borboleta no copo
   Adicione os ovos, o açúcar e a margarina. Programe  5 minutos/ 37ºC/ velocidade 4.
   Junte a farinha, o fermento e o açúcar baunilhado e bata 10 segundos/ velocidade 3
   Verta o preparado na forma e leve ao forno por 30 minutos.


terça-feira, 19 de novembro de 2019

Panquecas americanas

   Apesar de terem uma receita favorita, os meus rapazotes gostam de ir provando outras opções. Desta vez pediram uma que se pudesse comer "de faca e garfo", empilhadas. 
   Depois de muito pesquisar, optei pela receita da Raquelícias, à qual fiz algumas adaptações (nomeadamente na quantidade e leite).
   Os rapazes ficaram satisfeitos com o resultado! Assim é que nem consegui tirar uma foto de jeito, já que os pratos ficaram vazios num ápice! :-)



1 chávena (de chá) + 1 chávena (de café) de leite
2 ovos
2 chávenas de farinha de trigo
4  colheres(chá) de fermento em pó
1 colher (chá) de sal
4 colheres (sopa) de açúcar
2 colheres (chá) de óleo
2 colheres (chá) de essência de baunilha


   Misture bem todos os ingredientes. Bata até que a massa esteja homogénea.
   Numa frigideira antiaderente, coloque mais ou menos 2 colheres (de sopa) de massa, sem espalhar.
Quando a massa estiver com “bolhas”, vá soltando delicadamente com a ajuda de uma espátula.
Vire a panqueca e deixe dourar.

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

A produção continua... mais um gorro "desleixado"

 E depois do gorro do G. aqui está o resultado do gorro que o A. me pediu. Claro que também tinha de ser meio descaido, tal como o do irmão ;-).




   Caso queiram replicar o esquema, vejam as medidas que deverão seguir, de acordo com o diâmetro da cabeça: 


DIÂMETRO
 MALHAS
VOLTAS 
(XS) 43-46 cm
62
16
(S) 46-48 cm
72
18
(M) 48-50 cm
88
22
(L) 53-56 cm
96
24
(XL) 56-61 cm
108
26



Um gorro desleixado


Material:
- Agulhas circulares de 4mm
- 1 novelo de fio na cor pretendida (130 m). Usei Schachenmayr Bravo
-1 marcador /
- 1 agulha de costurar lã

   Monte 62 (72, 88, 96, 108) malhas e junte-as em círculo, tendo o cuidado de não torcer. Coloque um marcador no início da primeira volta.
   Trabalhe *2 pontos em meia, 2 pontos em liga*, até ao fim da volta. 
   Repita por mais 19 voltas.

   Em seguida, trabalhe sempre em meia, até o trabalho ter cerca de 16 (18, 22, 24, 26) cm (desde o início). 

   Comece a reduzir: 

XS:
Volta 1: *3 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 2: todos os pontos em meia
Volta 3: *2 em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 4: todos os pontos em meia
Volta 5: *1 em meia, 2 pontos juntos em meia *
Volta 6: *2 pontos juntos em meia*


S:
Volta 1: *4 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 2: todos os pontos em meia
Volta 3: *3 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 4: todos os pontos em meia
Volta 5: *2 em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 6: todos os pontos em meia
Volta 7: *1 em meia, 2 pontos juntos em meia *
Volta 8: *2 pontos juntos em meia*

M:
Volta 1: *5 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 2: todos os pontos em meia
Volta 3: *4 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 4: todos os pontos em meia
Volta 5: *3 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 6: todos os pontos em meia
Volta 7: *2 em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 8: todos os pontos em meia
Volta 9: *1 em meia, 2 pontos juntos em meia *
Volta 10: *2 pontos juntos em meia*


L:
Volta 1: *6 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 2: todos os pontos em meia
Volta 3: *5 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 4: todos os pontos em meia
Volta 5: *4 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 6: todos os pontos em meia
Volta 7: *3 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 8: todos os pontos em meia
Volta 9: *2 em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 10: todos os pontos em meia
Volta 11: *1 em meia, 2 pontos juntos em meia *
Volta 12: *2 pontos juntos em meia*


XL:
Volta 1: *7 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 2: todos os pontos em meia
Volta 3: *6 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 4: todos os pontos em meia
Volta 5: *5 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 6: todos os pontos em meia
Volta 7: *4 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 8: todos os pontos em meia
Volta 9: *3 pontos em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 10: todos os pontos em meia
Volta 11: *2 em meia, 2 pontos juntos em meia*
Volta 12: todos os pontos em meia
Volta 13: *1 em meia, 2 pontos juntos em meia *
Volta 14: *2 pontos juntos em meia*

   Corte o fio, deixando uma ponta longa. Coloque a agulha de coser lã e faça-a passar pelos pontos restantes. Puxe firmemente e aperte.
   Costure e remate.




A slouchy hat 

Material:
- Circular 4mm needles
- 1 skein in the desired color (130 m). I used Schachenmayr Bravo
- 1 stitch marker
- 1 yarn needle


   Cast on 62 (728896108) stitches and join to work in the round. Place the stitch marker at the beginning of the round.

   Work *K2, P2* until the end of the round.

   Repeat for more 19 rounds. for a total of 20 rounds.

   Switch to stockinette stitch until the hat measures 16 (18, 22, 24, 26) cm from the cast on edge.


Start decreasing:

XS:
Round 1: K3, K2tog, repeat to end of round.
Round 2: K all stitches
Round 3: K2, K2tog, repeat to end of round.
Round 4: K all stitches
Round 5: K1, K2tog, repeat to end of round.
Round 6: K2tog to end of the round


S:
Round 1: K4, K2tog, repeat to end of round.
Round 2: K all stitches
Round 3: K3, K2tog, repeat to end of round.
Round 4: K all stitches
Round 5: K2, K2tog, repeat to end of round.
Round 7: K all stitches
Round 8: K1, K2tog, repeat to end of round.
Round 9: K2tog to end of the round

M:
Round 1: K5, K2tog, repeat to end of round.
Round 2: K all stitches
Round 3: K4, K2tog, repeat to end of round.
Round 4: K all stitches
Round 5: K3, K2tog, repeat to end of round.
Round 6: K all stitches
Round 7: K2, K2tog, repeat to end of round.
Round 8: K all stitches
Round 9: K1, K2tog, repeat to end of round.
Round 10: K2tog to end of the round


L:
Round 1: K6, K2tog, repeat to the end of the round.
Round 2: K all stitches
Round 3: K5, K2tog, repeat to end of round.
Round 4: K all stitches
Round 5: K4, K2tog, repeat to end of round.
Round 6: K all stitches
Round 7: K3, K2tog, repeat to end of round.
Round 8: K all stitches
Round 9: K2, K2tog, repeat to end of round.
Round 10: K all stitches
Round 11: K1, K2tog, repeat to end of round.
Round 12: K2tog to end of the round


XL:
Round 1: K7, K2tog, repeat to the end of the round
Round 2: K all stitches
Round 3: K6, K2tog, repeat to the end of the round.
Round 4: K all stitches
Round 5: K5, K2tog, repeat to end of round.
Round 6: K all stitches
Round 7: K4, K2tog, repeat to end of round.
Round 8: K all stitch
Round 9: K3, K2tog, repeat to end of round.
Round 10: K all stitches
Round 11: K2, K2tog, repeat to end of round.
Round 12: K all stitches
Round 13: K1, K2tog, repeat to end of round.
Round 14: K2tog to end of the round

   Cut yarn, leaving a long tail. Draw the tail through the remaining stitches. Pull snug to close the hole.
   Weave in ends. 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...